quinta-feira, 15 de junho de 2017

Arguye de inconsecuentes el gusto y la censura de los hombres que en las mujeres acusan lo que causan

Hombres necios que acusáis
a la mujer sin razón,
sin ver que sois la ocasión
de lo mismo que culpáis:

si con ansia sin igual
solicitáis su desdén,
¿por qué queréis que obren bien
si las incitáis al mal?

Combatís su resistencia,
y luego con gravedad
decís que fue liviandad
lo que hizo la diligencia.

Queréis con presunción necia
hallar a la que buscáis,
para pretendida, Tais,
y en la posesión, Lucrecia.

¿Qué humor puede ser más raro
que el que falta de consejo,
él mismo empaña el espejo
y siente que no esté claro?

Con el favor y el desdén
tenéis condición igual,
quejándoos, si os tratan mal,
burlándoos, si os quieren bien.

Opinión ninguna gana,
pues la que más se recata,
si no os admite, es ingrata
y si os admite, es liviana.

Siempre tan necios andáis
que con desigual nivel
a una culpáis por cruel
y a otra por fácil culpáis.

¿Pues cómo ha de estar templada
la que vuestro amor pretende,
si la que es ingrata ofende
y la que es fácil enfada?

Mas entre el enfado y pena
que vuestro gusto refiere,
bien haya la que no os quiere
y quejaos enhorabuena.

Dan vuestras amantes penas
a sus libertades alas,
y después de hacerlas malas
las queréis hallar muy buenas.

¿Cuál mayor culpa ha tenido
en una pasión errada,
la que cae de rogada
o el que ruega de caído?

¿O cuál es más de culpar,
aunque cualquiera mal haga:
la que peca por la paga
o el que paga por pecar?

Pues ¿para qué os espantáis
de la culpa que tenéis?
Queredlas cual las hacéis
o hacedlas cual las buscáis.

Dejad de solicitar
y después con más razón
acusaréis la afición
de la que os fuere a rogar.

Bien con muchas armas fundo
que lidia vuestra arrogancia,
pues en promesa e instancia
juntáis diablo, carne y mundo.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

No quiere pasar por olvido lo descuidado

Dices que yo te olvido, Celio, y mientes, 
en decir que me acuerdo de olvidarte, 
pues no hay en mi memoria alguna parte 
en que, aun como olvidado, te presentes. 

Mis pensamientos son tan diferentes 

y en todo tan ajenos de tratarte, 
que ni saben ni pueden olvidarte, 
ni si te olvidan saben si lo sientes. 

Si tú fueras capaz de ser querido, 

fueras capaz de olvido; y ya era gloria 
al menos la potencia de haber sido. 

Mas tan lejos estás de esa victoria, 

que aqueste no acordarme no es olvido 
sino una negación de la memoria. 

segunda-feira, 12 de junho de 2017

A Cristo Crucificado

No me mueve mi dios para quererte
el cielo que me tienes prometido
ni me mueve el infierno tan temido
para dejar por eso de ofenderte
Tú me mueves, señor, muéveme el verte
clavado en una crus y escarnecido
muéveme el ver tu cuerpo tan herido
muéveme tus afrentas y tu muerte
Muéveme, en fin, tu amor en tal manera
que aunque no hubiera cielo yo te amara
y aunque no hubiera infierno te temiera
No tienes que me dar porque te quiera
porque aunque cuanto espero no esperara
lo mismo que te quiero te quisie

domingo, 4 de junho de 2017

La región más transparente

Quien ganó realmente la guerra de 1847? La aparente vitoria de los Estados Unidos piensan los mexicanos sin decirlo, fue el triunfo de la fuerza bruta, poder ebrio, materialismo y un crecimiento excesivo. Los valores humanos se perdieron... La produción masiva de automóviles contra la artesania folklórica, etc. La derrota de México, por otra parte, nos lleva a la verdad, a los valores, al conocimiento de las limitaciones apropriadas para el hombre de cultura y buena voluntad. Lo que tiene êxito no siempre es lo valioso, sino más bien lo contrário.

sábado, 3 de junho de 2017

La región más transparente

No es posible que deje de zozobrar una sociedad donde en vez poesía sólo se leen anuncios que declaran la obligación de usar algún unguento para los sobacos, so pena de perder al novio, o de hácer gárgaras con clorofila, so pena de ser impopular! Como se puede sentir así el terror cósmico?

terça-feira, 16 de maio de 2017

Noventa e Três

As ideias gerais odiadas pelas ideias parciais, é a própria luta do progresso.
Terra, pátria, nestas palavras está resumida toda a guerra da Vendeia; contenda da ideia local contra a ideia universal. Camponeses contra patriotas.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Sísifo

Recomeça....

Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...

terça-feira, 21 de março de 2017

All the world's a stage

All the world's a stage,
And all the men and women merely players;
They have their exits and their entrances,
And one man in his time plays many parts,
His acts being seven ages. At first, the infant,
Mewling and puking in the nurse's arms.
Then the whining schoolboy, with his satchel
And shining morning face, creeping like snail
Unwillingly to school. And then the lover,
Sighing like furnace, with a woeful ballad
Made to his mistress' eyebrow. Then a soldier,
Full of strange oaths and bearded like the pard,
Jealous in honor, sudden and quick in quarrel,
Seeking the bubble reputation
Even in the cannon's mouth. And then the justice,
In fair round belly with good capon lined,
With eyes severe and beard of formal cut,
Full of wise saws and modern instances;
And so he plays his part. The sixth age shifts
Into the lean and slippered pantaloon,
With spectacles on nose and pouch on side;
His youthful hose, well saved, a world too wide
For his shrunk shank, and his big manly voice,
Turning again toward childish treble, pipes
And whistles in his sound. Last scene of all,
That ends this strange eventful history,
Is second childishness and mere oblivion,
Sans teeth, sans eyes, sans taste, sans everything. 

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

The Empty Space

In all communication, illusions materialize and disappear. The Brecht theatre is a rich compound of images appealing for our belief. When Brecht spoke contemptuously of illusion, this was not what he was attacking. He meant the single sustained Picture, the statement that continued after its purpose had been served—like the painted tree. But when Brecht stated there was something in the theatre called illusion, the implication was that there was something else that was not illusion. So illusion became opposed to reality. It would be better if we clearly opposed dead illusion to living illusion, glum statement to lively statement, fossilized shape to moving shadow, the frozen picture to the moving one. What we see most often is a character inside a picture frame surrounded by a threewalled interior set. This is naturally an illusion, but Brecht suggests we watch it in a state of anaesthetized uncritical belief. If, however, an actor stands on a bare stage beside a placard reminding us that this is a theatre, then in basic Brecht we do not fall into illusion, we watch as adults—and judge. This division is neater in theory than in practice. 

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

The Empty Space

In Mexico, before the wheel was invented, gangs of slaves had to carry giant stones through the jungle and up the mountains, while their children pulled their toys on tiny rollers. The slaves made the toys, but for centuries failed to make the connection. When good actors play in bad comedies or second-rate musicals, when audiences applaud indifferent classics because they enjoy just the costumes or just the way the sets change, or just the prettiness of the leading actress, there is nothing wrong. But none the less, have they noticed what is underneath the toy they are dragging on a string? It’s a wheel. 

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

The Empty Space

For instance, a critic is always serving the theatre when he is hounding out incompetence. If he spends most of his time grumbling, he is almost always right. The appalling difficulty of making theatre must be accepted: it is, or would be, if truly practised, perhaps the hardest medium of all: it is merciless, there is no room for error, or for waste. A novel can survive the reader who skips pages, or entire chapters; the audience, apt to change from pleasure to boredom in a wink can be lost, irrevocably.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

The Empty Space

All through the world theater audiences are dwindling. There are occasional new movements, good new writers and so on, but as a whole, the theater not only fails to elevate or instruct, it hardly even entertains.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Gosto disto aqui

Quando o barco fez escala em Cherbourg, Bowen estava sentado no chão, meio embriagado, tentando ler This Rough Magic. Tinha chegado à página 188, altura em que o autor parecia ter ido tentar descobrir qual era a situação inicial que se propusera desenvolver.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Gosto disto aqui

Portugal é um belo sítio. Um tio meu foi lá há um ou dois anos e conseguiu estar permanentemente bebâdo por cerca de dez xelins diários.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Receita de mulher

As muito feias que me perdoem 
Mas beleza é fundamental. É preciso 
Que haja qualquer coisa de flor em tudo isso 
Qualquer coisa de dança, qualquer coisa de haute couture 
Em tudo isso (ou então 
Que a mulher se socialize elegantemente em azul, como na República Popular Chinesa). 
Não há meio-termo possível. É preciso 
Que tudo isso seja belo. É preciso que súbito 
Tenha-se a impressão de ver uma garça apenas pousada e que um rosto 
Adquira de vez em quando essa cor só encontrável no terceiro minuto da aurora. 
É preciso que tudo isso seja sem ser, mas que se reflita e desabroche 
No olhar dos homens. É preciso, é absolutamente preciso 
Que seja tudo belo e inesperado. É preciso que umas pálpebras cerradas 
Lembrem um verso de Éluard e que se acaricie nuns braços 
Alguma coisa além da carne: que se os toque 
Como o âmbar de uma tarde. Ah, deixai-me dizer-vos 
Que é preciso que a mulher que ali está como a corola ante o pássaro 
Seja bela ou tenha pelo menos um rosto que lembre um templo e 
Seja leve como um resto de nuvem: mas que seja uma nuvem 
Com olhos e nádegas. Nádegas é importantíssimo. Olhos, então 
Nem se fala, que olhem com certa maldade inocente. Uma boca 
Fresca (nunca úmida!) é também de extrema pertinência. 
É preciso que as extremidades sejam magras; que uns ossos 
Despontem, sobretudo a rótula no cruzar as pernas, e as pontas pélvicas 
No enlaçar de uma cintura semovente. 
Gravíssimo é porém o problema das saboneteiras: uma mulher sem saboneteiras 
É como um rio sem pontes. Indispensável 
Que haja uma hipótese de barriguinha, e em seguida 
A mulher se alteia em cálice, e que seus seios 
Sejam uma expressão greco-romana, mais que gótica ou barroca 
E possam iluminar o escuro com uma capacidade mínima de cinco velas. 
Sobremodo pertinaz é estarem a caveira e a coluna vertebal 
Levemente à mostra; e que exista um grande latifúndio dorsal! 
Os membros que terminem como hastes, mas bem haja um certo volume de coxas 
E que elas sejam lisas, lisas como a pétala e cobertas de suavíssima penugem 
No entanto sensível à carícia em sentido contrário. 
É aconselhável na axila uma doce relva com aroma próprio 
Apenas sensível (um mínimo de produtos farmacêuticos!) 
Preferíveis sem dúvida os pescoços longos 
De forma que a cabeça dê por vezes a impressão 
De nada ter a ver com o corpo, e a mulher não lembre 
Flores sem mistério. Pés e mãos devem conter elementos góticos 
Discretos. A pele deve ser fresca nas mãos, nos braços, no dorso e na face 
Mas que as concavidades e reentrâncias tenham uma temperatura nunca inferior 
A 37º centígrados, podendo eventualmente provocar queimaduras 
Do primeiro grau. Os olhos, que sejam de preferência grandes 
E de rotação pelo menos tão lenta quanto a da terra; e 
Que se coloquem sempre para lá de um invisível muro de paixão 
Que é preciso ultrapassar. Que a mulher seja em princípio alta 
Ou, caso baixa, que tenha a atitude mental dos altos píncaros. 
Ah, que a mulher dê sempre a impressão de que se se fechar os olhos 
Ao abri-los ela não mais estará presente 
Com seu sorriso e suas tramas. Que ela surja, não venha; parta, não vá 
E que possua uma certa capacidade de emudecer subitamente e nos fazer beber 
O fel da dúvida. Oh, sobretudo 
Que ela não perca nunca, não importa em que mundo 
Não importa em que circunstâncias, a sua infinita volubilidade 
De pássaro; e que acariciada no fundo de si mesma 
Transforme-se em fera sem perder sua graça de ave; e que exale sempre 
O impossível perfume; e destile sempre 
O embriagante mel; e cante sempre o inaudível canto 
Da sua combustão; e não deixe de ser nunca a eterna dançarina 
Do efêmero; e em sua incalculável imperfeição 
Constitua a coisa mais bela e mais perfeita de toda a criação inumerável.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Carta aos puros

Ó vós, homens sem sol, que vos dizeis os Puros 
E em cujos olhos queima um lento fogo frio 
Vós de nervos de nylon e de músculos duros 
Capazes de não rir durante anos a fio. 

Ó vós, homens sem sal, em cujos corpos tensos 
Corre um sangue incolor, da cor alva dos lírios 
Vós que almejais na carne o estigma dos martírios 
E desejais ser fuzilados sem o lenço. 

Ó vós, homens iluminados a néon 
Seres extraordinariamente rarefeitos 
Vós que vos bem-amais e vos julgais perfeitos 
E vos ciliciais à idéia do que é bom. 

Ó vós, a quem os bons amam chamar de os Puros 
E vos julgais os portadores da verdade 
Quando nada mais sois, à luz da realidade, 
Que os súcubos dos sentimentos mais escuros. 

Ó vós que só viveis nos vórtices da morte 
E vos enclausurais no instinto que vos ceva 
Vós que vedes na luz o antônimo da treva 
E acreditais que o amor é o túmulo do forte. 

Ó vós que pedis pouco à vida que dá muito 
E erigis a esperança em bandeira aguerrida 
Sem saber que a esperança é um simples dom da vida 
E tanto mais porque é um dom público e gratuito. 

Ó vós que vos negais à escuridão dos bares 
Onde o homem que ama oculta o seu segredo 
Vós que viveis a mastigar os maxilares 
E temeis a mulher e a noite, e dormis cedo. 

Ó vós, os curiais; ó vós, os ressentidos 
Que tudo equacionais em termos de conflito 
E não sabeis pedir sem ter recurso ao grito 
E não sabeis vencer se não houver vencidos. 

Ó vós que vos comprais com a esmola feita aos pobres 
Que vos dão Deus de graça em troca de alguns restos 
E maiusculizais os sentimentos nobres 
E gostais de dizer que sois homens honestos. 

Ó vós, falsos Catões, chichisbéus de mulheres 
Que só articulais para emitir conceitos 
E pensais que o credor tem todos os direitos 
E o pobre devedor tem todos os deveres. 

Ó vós que desprezais a mulher e o poeta 
Em nome de vossa vã sabedoria 
Vós que tudo comeis mas viveis de dieta 
E achais que o bem do alheio é a melhor iguaria. 

Ó vós, homens da sigla; ó vós, homens da cifra 
Falsos chimangos, calabares, sinecuros 
Tende cuidado porque a Esfinge vos decifra... 
E eis que é chegada a vez dos verdadeiros puros.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Sobre Abraços Desfeitos

É um "trailer" óptimo, completamente a contra-corrente do que é norma hoje em dia, quando os "trailers", sobretudo os dos filmes americanos, praticamente se esgotam num resumo acelerado da intriga do filme. Empobrecem-lhes o mistério, reduzindo-o à questão do "desfecho", como se tudo o que se propusesse ao espectador fosse ir ver o filme para saber "como acaba" o que já lhe foi contado no "trailer" (enfim, os brados indignados de "spoiler! spoiler!" por essa Internet fora sempre que um texto refere pormenores decisivos do desenlace de um filme emanam desta, chamemos-lhe, "cultura").

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

O terceiro Reich

Ao acordar encontro Clarita no quarto, está aos pés da cama com a sua farda de empregada de quartos, a olhar para mim. Não sei porque é que a sua presença me faz feliz. Sorrio-lhe e peço-lhe que se meta na cama comigo, embora sem me aperceber o faça em alemão. De que maneira é que Clarita me entende é um mistério, a verdade é que, prudentemente, primeiro fecha a porta por dentro e depois encolhe-se ao meu lado, sem tirar nada, apenas os sapatos. Tal como no nosso encontro anterior, a sua boca cheira a tabaco negro, o que se torna muito atractivo numa mulherzinha como ela. Segundo a tradição, dos seus lábios deveria desprender-se um gosto a chouriço e alhos ou a pastilha de mentol. Alegro-me que não seja assim.

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Poética

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
— Meu tempo é quando.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

A rosa de Hiroxima

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Afabulação

FILHO

Claro que dirão! E não só
os velhos burgueses, mas também os jovens
revolucionários. São todos de
uma mesma raça: a raça que avalia o que se faz
pela sua utilidade. Se alguém, rindo ou chorando,
num mundo onde não se pode rir
e não se deve chorar, é, para ele, um empecilho,
sabes o que dizem? Dizem assim: Para que serve?

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Seis personagens em busca de autor

O PAI
(...) Senhor, todos nós - cá fora, diante dos outros - estamos cobertos de dignidade: mas dentro de nós, sabemos bem o que se passa na nossa intimidade, inconfessável. Se cedemos, cedemos à tentação, para logo depois nos reerguermos, talvez com uma grande pressa de recompor inteira e sólida, como uma pedra sobre um túmulo, a nossa dignidade, que esconde e sepulta aos nossos próprios olhos qualquer sinal e a própria lembrança da vergonha.

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Afabulação

Dois homens quaisquer.
Porque, como homem, ele não é muito melhor do que eu,
tem as mesmas incertezas,
é um filho igual ao pai,
no fundo já velho, como todos
os filhos de pais autoritários.